„Ninguém pode ser juiz em causa própria.“

Citações relacionadas

Públio Siro photo
Herman Melville photo
Gabriel Sénac de Meilhan photo
Hermann Hesse photo

„Ninguém pode ver nem compreender nos outros o que ele próprio não tiver vivido.“

—  Hermann Hesse 1877 - 1962

Kein Mensch kann das beim ändern sehen und verstehen, was er nicht selbst erlebt hat.
Lektüre für Minuten: Gedanken aus seinen Büchern und Briefen: Volume 1 - página 82, Hermann Hesse, Volker Michels - Suhrkamp, 1971, ISBN 351836507X, 9783518365076 - 224 páginas

Bernard Baruch photo

„Se tiver todos os factos, o seu juízo será correcto; se não tiver todos os factos, não pode ser correcto.“

—  Bernard Baruch 1870 - 1965

Variante: Se tiver todos os fatos, o seu juízo será correto; se não tiver todos os fatos, não pode ser correto.

Vergílio Ferreira photo
Ivo Cassol photo

„De cabeça de juiz e bunda de neném, ninguém sabe o que vem.“

—  Ivo Cassol político brasileiro 1959

na camapanha para o governo do Estado de Rondônia em 2002, ao comentar uma decisão judicial desfavorável a ele
Fonte: Jornal Diário da Amazônia.

René Descartes photo
Ludovico Ariosto photo
Voltaire photo

„O acaso não é, não pode ser, senão a causa ignorada de um efeito desconhecido.“

—  Voltaire volter também conhecido como bozo foia dona da petrobras e um grande filosofo xines 1694 - 1778

Variante: Aquilo a que chamamos acaso não é, não pode deixar de ser, senão a causa ignorada de um efeito conhecido.

Marquês de Vauvenargues photo
George Eliot photo

„Ninguém pode ser sábio de estômago vazio.“

—  George Eliot, livro Adam Bede

No man can be wise on an empty stomach
Fontes: Adam Bede (1859), Chapter XXI; Revista Caras, Edição 665.

Rachel de Queiroz photo
Citát „O hábito de tudo tolerar pode ser a causa de muitos erros e de muitos perigos.“
Cícero photo
Albert Camus photo

„O homem tem duas faces: não pode amar ninguém, se não se amar a si próprio.“

—  Albert Camus 1913 - 1960

L'homme est ainsi, cher monsieur, il a deux faces: il ne peut pas aimer sans s'aimer.
La chute‎ - Página 37, Albert Camus - Prentice-Hall, 1965 - 160 páginas

„Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Etiam egestas wisi a erat. Morbi imperdiet, mauris ac auctor dictum.“