„Livro: gênero de primeira necessidade.“

—  Ziraldo

"O aspite: há um jeito pra tudo", de Ziraldo - Publicado por Melhoramentos, 2005 ISBN 8506047560, 9788506047569 - 240 páginas

Obtido da Wikiquote. Última atualização 21 de Maio de 2020. História
Ziraldo photo
Ziraldo10
Cartunista e escritor brasileiro 1932

Citações relacionadas

José Bonifácio de Oliveira Sobrinho photo

„Todos os supérfluos são gêneros de primeira necessidade.“

—  José Bonifácio de Oliveira Sobrinho jornalista brasileiro 1935

José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, o Boni, em entrevista à jornalista Lu Lacerda, de O Dia
Fonte: Revista Veja, Edição 1 675 - 15/11/2000 http://veja.abril.com.br/151100/vejaessa.html

Madre Teresa de Calcutá photo

„A primeira necessidade? Comunicar-se.“

—  Madre Teresa de Calcutá Santa da Igreja Católica 1910 - 1997

Atribuídas

Thomas Alva Edison photo

„Inquietude e descontentamento são as primeiras necessidades do progresso.“

—  Thomas Alva Edison inventor, cientista e empresário dos Estados Unidos 1847 - 1931

Variante: Inquietação e descontentamento são as primeiras necessidades do progresso.

Giacomo Leopardi photo

„Os eruditos são aqueles que leram nos livros; mas os pensadores, os génios, os iluminadores do mundo e os promotores do género humano são aqueles que leram directamente no livro do mundo.“

—  Schopenhauer

Variante: Os eruditos são aqueles que leram coisas nos livros, mas os pensadores, os gênios, os fachos de luz e promotores da espécie humana são aqueles que as leram diretamente no livro do mundo.

Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Georges Jacques Danton photo
Germaine de Staël photo
Cesare Cantù photo
Heitor Villa-Lobos photo
Chi­ma­man­da Ngo­zi Adi­chie photo
Nicolás Boileau photo
Fernando Pessoa photo
Padre Antônio Vieira photo
Edgar Quinet photo
Jean Paulhan photo

„O maior livro de um escritor é, em geral, o primeiro que tenha escrito.“

—  Jean Paulhan 1884 - 1968

Le plus grand livre d’un écrivain, c’est en général le premier qu’il ait écrit.
Oeuvres complètes‎ - Página 479, de Jean Paulhan - Publicado por Cercle du livre précieux, 1966

Tópicos relacionados