Frases de John Brown

John Brown foto
0  0

John Brown

Data de nascimento: 9. Maio 1800
Data de falecimento: 2. Dezembro 1859

Publicidade

John Brown foi um abolicionista norte-americano.

Abolicionista convicto, ao longo da década de 1850, defendeu e praticou ações armadas com o objetivo de abolir a escravidão nos Estados Unidos da América. Liderou, em 1856, o Massacre de Pottawatomie, no Kansas. Na ação, cinco pessoas foram mortas. Sua fama veio, principalmente, em função da fracassada ação no ataque ao arsenal de Harpers Ferry, quando acabou preso. O ataque ocorreu em 1859. Brown foi julgado e condenado à morte por enforcamento. Ao longo do julgamento, seus discursos ganharam projeção nacional. Brown foi chamado, entre outras alcunhas, de "o mais controverso norte-americano do século XIX" e "o primeiro terrorista doméstico dos EUA".Brown tentou iniciar, em 1859, um movimento de libertação entre os escravos de Harpers Ferry, uma cidade da Virgínia Ocidental. Com ajuda de alguns colegas sua ação colocou o país em polvorosa. O abolicionista acabou preso e julgado por traição ao Estado da Virgínia, pela morte de cinco sulistas defensores da escravidão e por incitar uma rebelião de escravos. Brown foi declarado culpado de todos os crimes e enforcado. Sulistas alegaram que o tipo de movimento liderado por Brown era apenas a ponta do iceberg representado pelas ideias abolicionistas do Partido Republicano. Historiadores afirmam que o conflito em Harpers Ferry precipitou as tensões que, em seguida, levariam à secessão norte-americana e à guerra civil ocorrida nos Estados Unidos entre 1861 e 1865.

Brown inicialmente obteve certa projeção quando liderou um grupo de voluntários durante o episódio conhecido como Kansas Sangrento, ocorrido em meados dos anos 1850. O acontecimento foi marcado por violentos confrontos entre antiescravagistas e partidários da escravidão. Diferentemente de outros nortistas que defendiam uma resistência pacífica à escravidão, Brown apoiava ações violentas em resposta às agressões escravagistas do Sul dos EUA. Insatisfeito com o pacifismo pretendido pelo movimento abolicionista organizado, ele supostamente teria dito que "Estes homens estão todos falando. Nós precisamos de ação - ação!" Durante sua campanha no Kansas, Brown e seus homens assassinaram cinco escravagistas do Sul, no que ficou conhecido como o "Massacre de Pottawatomie", em maio de 1856. Em 1859, ele liderou um ataque ao depósito federal de armas de Harpers Ferry. Durante o ataque, tomou o depósito; sete pessoas foram mortas e 10 ou mais ficaram feridas. Brown pretendia espalhar entre os escravos as armas obtidas no arsenal militar, mas seu plano falhou. Ao longo de 36 horas, seus homens fugiram, foram mortos ou capturados por escravagistas armados, milicianos e marines comandados por Robert Lee. A captura de Brown chamou a atenção da população norte-americana, basicamente em função do medo dos sulistas de que aquele fosse apenas o primeiro de muitos planos nortistas para acabar com a escravidão e ameaçar as próprias vidas dos habitantes daqueles estados. Ao longo do período, no entanto, os Republicanos do norte reafirmaram que esta ideia estava equivocada e que não haveria interferência no sistema escravista do sul dos EUA.Historiadores concordam que John Brown desempenhou um importante papel no início da Guerra Civil norte-americana. Davis Potter afirmou que o efeito emocional dos ataques de Brown foi ainda maior que o impacto filosófico dos Debates_Lincoln–Douglas, revelando uma profunda divisão entre o Norte e o Sul dos EUA. As ações e táticas de Brown, anteriores à Guerra, fizeram dele uma figura controversa. Eventualmente, é visto por ângulos distintos, à luz da história: ora como um mártir heroico da liberdade, ora como um vilão, desequilibrado e terrorista. Alguns escritores, como Bruce Olds, definem-no como um fanático obcecado, enquanto outros, como Stephen B. Oates, enxergam em Brown "um dos mais perceptivos seres humanos de sua geração". Davis S. Reynolds, por sua vez, considera-o como "o homem que acabou com a escravidão, acendeu a fagulha da Guerra Civil e plantou a semente dos direitos civis". Richard Owen Boyer enfatizou que Brown "deu a sua vida para que milhões de outros norte-americanos pudessem ter liberdade". Para Ken Chowder, ele "em certo período, foi um grande homem", mas, também, foi "o pai do terrorismo nos EUA". A música "John Brown's Body" tornou-se um hino durante a Guerra Civil Norte-americana.

Citações John Brown

„The marriage relation shall be at all times respected“

— John Brown (abolitionist)
Context: The marriage relation shall be at all times respected, and families kept together, as far as possible; and broken families encouraged to reunite, and intelligence offices established for that purpose. Schools and churches established, as soon as may be, for the purpose of reli­gious and other instructions; for the first day of the week, regarded as a day of rest, and appropriated to moral and religious instruction and improvement, relief of the suffering, instruction of the young and ignorant, and the encouragement of personal cleanliness; nor shall any persons be required on that day to perform ordinary manual labor, unless in extremely urgent cases. Article XLII.

Publicidade

„This is a beautiful country.“

— John Brown (abolitionist)
Last words (2 December 1859), as quoted in [https://books.google.com/books?id=uiaYWp66b-cC&pg=PR1&dq=John+Brown+and+his+Men+%281894%29+by+Richard+Josiah+Hinton&hl=en&sa=X&ei=Uub_VN3CN5HbggTdxIK4Cw&ved=0CB4Q6AEwAA#v=onepage&q=John%20Brown%20and%20his%20Men%20(1894)%20by%20Richard%20Josiah%20Hinton&f=false John Brown and his Men] (1894) by Richard Josiah Hinton, p. 397.

„I, John Brown, am now quite certain that the crimes of this guilty land can never be purged away but with blood. I had, as I now think, vainly flattered myself that without very much bloodshed, it might be done.“

— John Brown (abolitionist)
This was written on a note that he had at his execution (2 December 1859), most sources say it was handed to the guard, but some dispute that and claim it was handed to a reporter accompaning him; as quoted in [https://books.google.com/books?id=uiaYWp66b-cC&pg=PR1&dq=John+Brown+and+his+Men+%281894%29+by+Richard+Josiah+Hinton&hl=en&sa=X&ei=Uub_VN3CN5HbggTdxIK4Cw&ved=0CB4Q6AEwAA#v=onepage&q=John%20Brown%20and%20his%20Men%20(1894)%20by%20Richard%20Josiah%20Hinton&f=false John Brown and his Men] (1894) by Richard Josiah Hinton, p. 398.

„I am gaining in health slowly, and am quite cheerful in view of my approaching end, — being fully persuaded that I am worth inconceivably more to hang than any other purpose.“

— John Brown (abolitionist)
[https://archive.org/stream/lifeandlettersof00sanbrich/lifeandlettersof00sanbrich_djvu.txt Letter to his brother Jeremiah] (12 November 1859).

„I bring you one of the best and bravest persons on this continent — General Tubman as we call her.“

— John Brown (abolitionist)
Introducing Harriet Tubman to Wendell Phillips, as quoted in The Underground Railroad from Slavery to Freedom (1898) by Wilbur Henry Siebert, p. 185 also in "The Underground Railway" (27 May 1902) by W. H. Withrow, as published in Proceedings

„These men are all talk; What is needed is action — action!“

— John Brown (abolitionist)
Remarks at the New England Anti-Slavery Convention (May 1859), quoted in William Lloyd Garrison by Wendell and Francis Garrison.

Publicidade