„Ser avarento é pior do que ser pobre.“

Última atualização 8 de Maio de 2019. História

Citações relacionadas

Nicolas Chamfort photo

„O mais rico dos homens é o poupado, o mais pobre o avarento.“

—  Nicolas Chamfort 1741 - 1794

Le plus riche des hommes, c'est l'économe : le plus pauvre , c'est l'avare.
Oeuvres completes de Chamfort‎ - Tome Seconde, Página 30 http://books.google.com.br/books?id=XosNAAAAIAAJ&pg=PA30, de Sébastien-Roch-Nicolas Chamfort - 1812

Lucio Anneo Seneca photo
Marquês de Maricá photo

„O pródigo pode ser lastimado, mas o avarento é quase sempre aborrecido.“

—  Marquês de Maricá 1773 - 1848

Máximas e Pensamento, Departamento Nacional do Livro, Fundação Biblioteca Nacional

Millôr Fernandes photo

„O bom da gente ser pobre, triste, feio, doente e velho é que nada pior nos pode acontecer.“

—  Millôr Fernandes cartunista, humorista e dramaturgo brasileiro. 1923 - 2012

Citações verificadas

Marquês de Maricá photo
Mike Todd photo
Victor Hugo photo

„Quem não é capaz de ser pobre, não é capaz de ser livre.“

—  Victor Hugo poeta, romancista e dramaturgo francês 1802 - 1885

Sydney Smith photo
Lucio Anneo Seneca photo
Oscar Wilde photo

„Só há no mundo uma coisa pior do que ser objecto de falatórios: é não o ser.“

—  Oscar Wilde Escritor, poeta e dramaturgo britânico de origem irlandesa 1854 - 1900

Henry Miller photo
Millôr Fernandes photo

„Ser pobre não é crime, mas ajuda muito a chegar lá.“

—  Millôr Fernandes cartunista, humorista e dramaturgo brasileiro. 1923 - 2012

William Shakespeare photo

„Pobre é o amor que pode ser contado.“

—  William Shakespeare, Antony and Cleopatra

Ato I - Cena I: Antônio
Antônio e Cleópatra (1606-1607)
Variante: ANTÔNIO — Pobre é o amor que pode ser contado.

Jorge Luis Borges photo
Confucio photo
Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Marilynne Robinson photo
Salazar photo

„Devo à providência a graça de ser pobre.“

—  Salazar Chefe de governo de Portugal 1889 - 1970

citado em "Salazar e o seu tempo" - Página 98; de César de Oliveira - Publicado por O Jornal, 1991 ISBN 9726920876, 9789726920878 - 237 páginas

Tópicos relacionados