„Escrevo porque encontro nisso um prazer que não consigo traduzir. Não sou pretensiosa. Escrevo para mim, para que eu sinta a minha alma falando e cantando, às vezes chorando…“

A paixão segundo G.H.

Obtido da Wikiquote. Última atualização 21 de Maio de 2020. História
Clarice Lispector photo
Clarice Lispector1132
Escritora ucraniano-brasileira 1920 - 1977

Citações relacionadas

Arthur Schopenhauer photo
Cazuza photo
Renato Russo photo
Milan Kundera photo
Jim Carrey photo
Clarice Lispector photo
Robert Pattinson photo

„Não consigo sequer um encontro“

—  Robert Pattinson 1986

Afirmando que a fama não ajuda em sua vida amorosa.
Fonte: Veja.
Fonte: Veja http://veja.abril.com.br/noticia/variedades/robert-pattinson-fama-nao-me-ajuda-garotas-505283.shtml

André Gide photo
Marco Aurelio photo
Júlio Dinis photo
Barão de Itararé photo
Liam Gallagher photo
Osmar Prado photo

„Sinto prazer nas cenas de açoite.“

—  Osmar Prado 1947

Revista ISTO É Gente, Edição 373 http://www.terra.com.br/istoegente/373/frases/index.htm, de outubro de 2006.
ao interpretar o Barão de Araruna, na novela Sinhá Moça;

Henri Bergson photo

„Falhamos ao traduzir exatamente o que se sente na nossa alma: o pensamento continua a não poder medir-se com a linguagem.“

—  Henri Bergson 1859 - 1941

Variante: Fracassamos em traduzir por inteiro o que nossa alma sente: o pensamento não tem medida comum com a linguagem.

Lya Luft photo

„Escrevo sobre isolamento e ternura, a perturbadora ambivalência nossa, frivolidade e covardia, às vezes a graça e o riso.“

—  Lya Luft 1938

"Pensar é transgredir", Página 11; de Lya Fett Luft; Publicado por Editora Record, 2004; ISBN 8501069698, 9788501069696; 185 páginas

Ramón Gómez De La Serna photo
Bob Dylan photo

„Às vezes em minhas canções sou eu falando comigo.“

—  Bob Dylan compositor, cantor, pintor, ator e escritor norte-americano 1941

Clarice Lispector photo
Stendhal photo

„J-J. Rosseau … não passa, para mim, de um tolo, quando se põe a julgar a alta sociedade; ele não a compreendia, e nisso tinha uma alma de lacaio parvenu.“

—  Stendhal 1783 - 1842

... Enquanto prega a república e a destruição das dignidades monárquicas, esse parvenu embriaga-se de felicidade se um duque muda a direção de seu passeio depois do jantar para acompanhar um de seus amigos."
Julien Sorel falando à Mathilde, no capítulo VIII da segunda parte
O Vermelho E O Negro

Tópicos relacionados