„O amor é como os fantasmas de que todos falam, mas que ninguém viu.“

Última atualização 18 de Janeiro de 2019. História
Tópicos
fantasma, todo, amor, amor
Arthur Schopenhauer photo
Arthur Schopenhauer156
filósofo alemão 1788 - 1860

Citações relacionadas

Daniella Cicarelli photo
Jonathan Swift photo

„A descoberta consiste em ver o que todo mundo viu e pensar o que ninguém pensou.“

—  Jonathan Swift Escritor anglo-irlandês conhecido pela sua obra "As Viagens de Gulliver" 1667 - 1745

Cecília Meireles photo

„Gênio é quem conseguiu ver o que todo mundo via, mas conseguiu vislumbrar o que ninguém viu.“

—  Augusto Branco 1980

Variante: Gênio é quem consegue ver o que todo mundo vê, e vislumbrar o que ninguém viu.

Enrique Jardiel Poncela photo
Lisa Carducci photo
Ricardo Araújo Pereira photo

„Um navio fantasma que tivesse bidés deve ficar com bidés fantasma.“

—  Ricardo Araújo Pereira 1974

" Urso fantasma ", Mixórdia de Temáticas 27-02-2014

Levin Schücking photo

„Dizem que o amor é cego, mas sem duvida sempre viu onde havia mais dinheiro.“

—  Levin Schücking 1814 - 1883

Die Liebe, sagt man, wäre blind; ich will den Satz nicht ganz bestreiten; doch wo die meisten Thaler sind, sah sie recht gut zu allen Zeiten
Welt und Zeit, 482.) http://www.zeno.org/Wander-1867/A/Liebe

Fernando Pessoa photo
Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Gaston Leroux photo
Woody Allen photo

„A coerência é o fantasma das mentes pequenas.“

—  Woody Allen cineasta, roteirista, escritor, ator e músico norte-americano 1935

Virginia Woolf photo

„É muito mais difícil matar um fantasma do que uma realidade.“

—  Virginia Woolf escritora inglesa 1882 - 1941

Variante: É muito mais fácil matar um fantasma do que matar uma realidade.

André Chénier photo
Carlos Drummond de Andrade photo

„Ninguém é igual a ninguém. Todo o ser humano é um estranho ímpar.“

—  Carlos Drummond de Andrade Poeta brasileiro 1902 - 1987

"Nova reunião: 19 livros de poesia" - v.2 Página 537, de Carlos Drummond de Andrade - Publicado por J. Olympio Editora, 1985 - 969 páginas

Luis Fernando Verissimo photo

„Ninguém é uma coisa só, nós todos somos muitos.“

—  Luis Fernando Verissimo Escritor e cronista brasileiro 1936

do conto Obsessão. Em: Os últimos quartetos de Beethoven e outros contos. Rio de Janeiro: Objetiva, 2013. 162 p.

Tópicos relacionados