Frases de Heinrich Böll

Heinrich Böll foto
6  0

Heinrich Böll

Data de nascimento: 21. Dezembro 1917
Data de falecimento: 16. Julho 1985

Publicidade

Heinrich Theodor Böll foi um tradutor e escritor alemão.

Foi um dos escritores alemães mais destacados do período pós-guerra. Mais conhecido como romancista, foi também autor de contos, poesias e peças teatrais.

Foi laureado com o Nobel de Literatura de 1972.

Citações Heinrich Böll

„Deve-se neste momento - relacionando-a com certas informações do dicionário - formular ainda a pergunta: o que são afinal os bens da vida humana? Quem nos diz que um determinado bem é superior ou inferior? Há lacunas desagradáveis nos dicionários, até nos mais conhecidos. Pode-se demonstrar que há pessoas para quem DM 2,5 são um bem muito superior a qualquer outra vida humana, com excepção da deles, e há até outros que, por amor a um bocado de chouriço de sangue, que conseguem ou não apanhar, arriscam sem hesitação os bens das mulheres e dos filhos, como, por exemplo: uma vida familiar alegre e a presença de um pai ao menos uma vez radiante. E que significado tem esse bem, que louvamos sob o nome de F.(Felicidade)? Que diabo, este está bem perto da F., se consegue juntar as três ou quatro beatas que chegam para ele fazer outro cigarro ou se pode beber o resto de Vermute de uma garrafa que se deitou fora, aquele precisa para ser feliz durante cerca de dez minutos - pelo menos segundo o costume ocidental de amor a ritmo acelerado-, mais precisamente: para estar ràpidamente com a pessoa que naquele momento deseja, precisa de um avião a jacto particular, no qual voa entre o pequeno-almoço e o chá da tarde, sem que a pessoa que legal e religiosamente é a sua E.(Esperança) dê por isso, até Roma ou Estocolmo ou (neste caso precisa do tempo até ao pequeno-almoço do dia seguinte) até Acapulco - para ter relações com a ou o desejado - homem-com-homem, mulher-com-mulher ou simplesmente homem-com-mulher.“

— Heinrich Böll
Group Portrait with Lady

Publicidade
Publicidade

„He avoids the official "heroes'" cemetery, done in such impeccable taste. (Why, he wonders, do the Germans do so much for their dead and so little for the living?)“

— Heinrich Böll
"You Enter Germany" (1967); cited from Aufsätze, Kritiken, Reden (Köln: Kiepenheuer & Witsch, 1967) p. 278. Translation: "You are Now Entering Germany", in Leila Vennewitz (trans.) Missing Persons and Other Essays (Evanston: Northwestern University Press, 1994) p. 48.

„One ought to go too far, in order to know how far one can go.“

— Heinrich Böll
"Die Freiheit der Kunst", speech delivered at Wuppertal on September 24, 1966; cited from Cultura 21 magazine [http://www.cultura21.de/magazin/denkanstosse/d20050930a.html], September 30, 2005. Translation: Walter Laqueur Germany Today: A Personal Report (London: Weidenfeld and Nicolson, 1985) p. 130.

„A family without a black sheep is not a typical family.“

— Heinrich Böll
"Die schwarzen Schafe" (1951); cited from 1947 bis 1951 (Köln: F. Middelhauve, 1963) p. 478. Translation: "Black Sheep", in Leila Vennewitz (trans.) The Stories of Heinrich Böll (Evanston: Northwestern University Press, 1995) p. 408.