Frases de Ernesto Cardenal

Ernesto Cardenal foto
0  0

Ernesto Cardenal

Data de nascimento: 20. Janeiro 1925

Publicidade

Ernesto Cardenal Martínez é um escritor, sacerdote e teólogo nicaraguense.

Dissidente sandinista, é considerado um dos mais importantes poetas vivos da América Latina. Seu irmão, o jesuíta Fernando Cardenal, foi Ministro da Educação da Nicarágua.

No ensino médio estudou no "Colegio Centroamérica de los Jesuitas" em Granada. Depois estudou na "Facultad de Filosofía y Letras" da Universidad Nacional Autónoma de México , nessa época publicou seus primeiros poemas. Depois obteve doutorado na Universidade de Columbia em Nova Iorque.

Entre 1949 e 1950, viajou pela Europa. Em 1952, fundou una pequena editora de poesia denominada "El hilo azul". Em abril de 1954, participou de um movimento armado que tentou assaltar o Palácio Presidencial em Manágua, na época do regime de Anastásio Somoza .

Em 1957, decidiu tornar-se um monge trapista no Monastério de Nossa Senhora de Gethsemani, em Kentucky , onde foi discípulo de Thomas Merton. Depois passou dois anos no Monastério Beneditino de Cuernavaca . Em 1961, continuou seus estudos de teologia em La Ceja .

Foi ordenado padre em 1965 e depois ajudou a fundar uma comunidade religiosa em Mancarrón, uma ilha do arquipélago de Solentiname, no Lago Nicarágua, que se tornou um foco de resistência à ditadura dos Somoza. Em 1970, viajou à Cuba e aderiu ao marxismo, cujo ideal de uma sociedade sem classes seria semelhante ao cristianismo das origens. Depois que a comunidade religiosa onde residia foi destruída pela Guarda Nacional da Nicarágua, se juntou à Frente Sandinista de Nacional de Libertação , onde ficou conhecido como "El Padre", como o chamavam os jovens guerrilheiros.

Em julho de 1979, com a chegada dos sandinistas ao poder, integrou a Junta de Governo como Ministro de Cultura, função que exerceu até 1987.

Em 1983, durante a visita do Papa João Paulo II à Nicarágua, em visita à Nicarágua em 1983, se colocou de joelhos diante do Papa no tapete de recepção no Aeroporto de Manágua. Naquela ocasião, o Papa, diante das câmeras de televisão, apontou de dedo para Cardenal e lhe intimou a abandonar o cargo ministerial, circunstância que foi considerada por alguns como uma humilhação pública.

Seis anos depois, em 1985, foi suspenso "ad divinis" pelo Vaticano, que considerou incompatível a sua missão sacerdotal com o seu cargo político.

Em 1994, rompeu com a FSLN.

Em 2005, Cardenal foi candidato ao Prémio Nobel de Literatura e, entre outras distinções, recebeu o Prémio Rubén Darío, o mais importante das letras nicaraguenses , a Ordem cubana "Haydeé Santamaría" e o Prémio da Paz dos livreiros alemães .

Em 2009, recebeu o Prêmio Iberoamericano de Poesia Pablo Neruda .

Em 2012, recebeu o Prêmio Rainha Sofia de Poesia Iberoamericana.

Em 2013, era um crítico do governo de Daniel Ortega apoiado pela FSLN, tendo inclusive intitulado o terceiro tomo das suas memórias como "A Revolução Perdida". Nesse ano também lhe foi concedida a honraria da Legião de Honra pelo governo francês.

Em 2014, recebeu o Prêmio Theodor-Wanner, do "Institut für Auslandsbeziehungen" de Stuttgart . Trata-se de um prêmio instituído em 2009 para pessoas que fizeram algo de notável para o diálogo entre as culturas.

Citações Ernesto Cardenal