Frases sobre a viagem página 2

Uma coleção de frases e citações sobre o tema da caminho.

Tópicos relacionados

Total 1077 citações caminho, filtro:


„O nosso melhor amigo


…aos que o receberam, aos que creem no seu nome, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus. João 1:12


Quando eu tinha 12 anos, nos mudamos para uma cidade no deserto. Após as aulas de ginástica naquele ar quente na nova escola, corríamos para o bebedouro. Sendo magrinho e bem novo para a série, às vezes eu era empurrado para fora da fila de espera para beber. Um dia, meu amigo José, que era grande e forte para a sua idade, viu isso, entrou na fila e estendeu seu braço forte para abrir o meu caminho, dizendo: “Ei, pessoal, deixem primeiro o James beber!”. Nunca mais tive problemas no bebedouro.

Jesus entendeu o que era enfrentar a suprema crueldade dos outros. A Bíblia nos diz: “Era desprezado e o mais rejeitado entre os homens…” (Isaías 53:3). Mas Jesus não era apenas uma vítima do sofrimento, Ele também se tornou o nosso Advogado. Ao dar Sua vida, Jesus abriu um “novo e vivo caminho” para termos um verdadeiro relacionamento com Deus (Hebreus 10:20). Ele fez por nós o que nunca poderíamos fazer por nós mesmos, oferecendo-nos o dom gratuito da salvação quando nos arrependemos de nossos pecados e confiamos nele.

Jesus é o melhor amigo que podemos ter. Ele disse: “…e o que vem a mim, de modo nenhum o lançarei fora” (JOÃO 6:37). Outros podem manter-nos à distância de um braço ou até mesmo empurrar- nos para longe de si, mas Deus abriu os Seus braços para nós por meio da cruz. Como o nosso Salvador é forte!

O dom gratuito de Deus para nós 
lhe custou muito caro. James Banks“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„A beleza do fracasso


Sacrifícios agradáveis a Deus são o espírito quebrantado; […] não o desprezarás, ó Deus. v.17


Kintsugi é a secular arte japonesa de remendar cerâmica quebrada. O pó de ouro misturado com resina é usado para rejuntar peças quebradas ou preencher rachaduras, fazendo uma ligação impressionante. Em vez de tentar esconder o reparo, essa arte faz algo bonito com os pedaços quebrados.

A Bíblia diz que Deus também valoriza o nosso quebrantamento, quando genuinamente nos arrependemos do pecado que cometemos. Após Davi cometer adultério com Bate-Seba e planejar a morte do marido dela, o profeta Natã o confrontou, e ele se arrependeu. A oração de Davi logo depois, nos dá uma visão do que Deus deseja: “…não te comprazes em sacrifícios; […] e não te agradas de holocaustos. Sacrifícios agradáveis a Deus são o espírito quebrantado; coração compungido e contrito…” (vv.16,17).

Quando o nosso coração está abatido por causa do pecado, Deus o restaura com o inestimável perdão oferecido generosamente por nosso Salvador na cruz. Ele nos recebe com amor quando nos humilhamos diante dele, e a intimidade é restaurada.

Como Deus é misericordioso! Consideremos o Seu desejo por um coração humilde e a deslumbrante beleza da Sua bondade, ao orarmos hoje: “Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração, prova- -me e conhece os meus pensamentos; vê se há em mim algum caminho mau e guia-me pelo caminho eterno” (SALMO 139:23,24).

A “tristeza segundo Deus produz arrependimento 
para a salvação” e conduz à alegria. 2 Coríntios 7:10 James Banks“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„Ritmos da graça


Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração… v.29


Um amigo e sua esposa, entrando em seus 90 anos e casados há 66 anos, escreveram a história da família para os seus filhos, netos e gerações vindouras. O capítulo final contém “Uma carta de mamãe e papai”, com importantes lições de vida que eles aprenderam. Uma delas me fez parar e fazer um inventário de minha própria vida: “Se você achar que o cristianismo o esgota, drenando sua energia, então você está praticando a religião ao invés de desfrutar de um relacionamento com Jesus Cristo. Sua caminhada com o Senhor não o deixará cansado; vai revigorá-lo, restaurar sua força e energizar sua vida” (vv.28,29).

A paráfrase de Eugene Peterson do convite de Jesus nesta passagem começa: “Você está cansado? Esgotado? Exausto por causa da religião? Caminhe e trabalhe comigo. Aprenda sobre ritmos da graça ilimitada” (MSN).

Quando penso que servir a Deus depende de mim, começo a trabalhar para Ele em vez de andar com Ele. Há uma diferença vital. Se eu não estiver andando com Cristo, meu espírito se torna seco e quebradiço. As pessoas são aborrecimentos, não seres humanos criados à imagem de Deus. Nada parece certo.

Quando sinto que estou praticando a religião em vez de desfrutar de um relacionamento com Jesus, é hora de desvencilhar-me do fardo e caminhar com Ele em seus “ritmos da graça ilimitada”.

Jesus deseja que andemos com Ele. David C. McCasland“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„Viver com leões


…porque ele é o Deus vivo e que permanece para sempre… v.26


Quando visitei um museu em Chicago, EUA, vi um dos leões originais da Babilônia. Era uma imagem enorme em relevo, do tipo mural, de um leão alado com uma expressão feroz. Simbolizando Ishtar, a deusa babilônica do amor e da guerra, o leão era um exemplar dos 120 leões semelhantes que teriam se alinhado formando um caminho babilônico durante os anos de 604–562 a.C.

Os historiadores dizem que depois que os babilônios derrotaram Jerusalém, os cativos hebreus teriam visto esses leões durante o seu tempo no reino de Nabucodonosor. Os historiadores também dizem que é provável que alguns dos israelitas acreditassem que Ishtar tivesse derrotado o Deus de Israel.

Daniel, um dos cativos hebreus, não compartilhou dessas dúvidas que poderiam ter incomodado alguns de seus companheiros israelitas. Sua visão de Deus e seu compromisso com o Senhor permaneceram firmes. Ele orava três vezes por dia, com as janelas abertas, mesmo sabendo que isso significaria entrar em um covil de leões. Depois que Deus salvou Daniel dos animais famintos, o rei Dario disse: “…tremam e temam perante o Deus de Daniel, porque ele é o Deus vivo e que permanece para sempre […]. Ele livra e salva “ (vv.26,27). A fidelidade de Daniel permitiu-lhe influenciar os líderes babilônios.

Permanecer fiel a Deus apesar da pressão e do desânimo pode inspirar outras pessoas a dar-lhe glória.

A fidelidade a Deus inspira os outros. Jennifer Benson Schuldt“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„O ministério da memória


Eu é que sei que pensamentos tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz e não de mal… v.11


Nossas experiências de perda e desapontamentos podem nos deixar irados, culpados e confusos. Se nossas escolhas fecharam certas portas que nunca serão reabertas ou, sem que fosse culpa nossa, a tragédia invadiu a nossa vida, o resultado muitas vezes é o que Oswald Chambers chamou de: “a tristeza insondável do ‘poderia ter sido’”. Podemos tentar suprimir a memória dolorosa, mas descobrimos que é impossível.

Chambers nos lembra de que o Senhor ainda está ativo em nossa vida. “Nunca tenha medo quando Deus traz o passado de volta”, disse ele. “Deixe a memória percorrer o seu caminho, como um ministro de Deus com sua repreensão, castigo e tristeza. Deus transformará o ‘poderia ter sido’ em algo maravilhoso [lugar de crescimento] para o futuro.”

Nos dias do Antigo Testamento, quando Deus enviou o povo de Israel para o exílio na Babilônia, Ele lhes disse para servi-lo naquela terra estrangeira e crescer na fé até que Ele os trouxesse de volta à casa deles. “Eu é que sei que pensamentos tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz e não de mal, para vos dar o fim que desejais” (v.11).

Deus os exortou a não ignorar ou prender-se aos acontecimentos do passado, mas em vez disso se concentrarem nele e olharem para frente. O perdão do Senhor pode transformar a memória de nossa tristeza em confiança em Seu amor eterno.

Deus pode usar as nossas mais profundas decepções 
para nutrir a nossa fé nele. David C. McCasland“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„Silêncio


Até quando, Senhor, clamarei eu, e tu não me escutarás?… 1:2


As aves se espalharam quando os caminhões de distribuição de alimentos passaram pelas cabanas desgastadas da aldeia. As crianças descalças olhavam. Era raro o tráfego nesta “estrada” devastada pela chuva.

De repente, a mansão do prefeito, toda murada, surgiu à vista do comboio. O povo carecia de necessidades básicas, enquanto ele descansava no luxo duma cidade distante.

Tal injustiça nos indigna. E indignou também o profeta de Deus. Quando Habacuque viu a opressão desenfreada, perguntou: “Até quando, Senhor, clamarei eu, e tu não me escutarás?” (v.2). Mas Deus tinha notado, e disse, “Ai daquele que acumula o que não é seu […] Que constrói a sua casa por ganho injusto!” (2:6,9). O julgamento estava chegando!

Alegramo-nos com o julgamento de Deus aos outros, mas Habacuque nos faz dar uma pausa: “O Senhor, porém, está no seu santo templo; cale-se diante dele toda a terra” (2:20). Toda a terra. Os oprimidos e os opressores. Às vezes, o silêncio é a resposta apropriada ao silêncio aparente de Deus!

Por que silêncio? Porque facilmente esquecemos a nossa pobreza espiritual. O silêncio nos permite reconhecer nossa pecaminosidade na presença de um Deus santo.

Habacuque aprendeu a confiar em Deus, e nós também o podemos. Não conhecemos todos os Seus caminhos, mas sabemos que Ele é bom. Nada está além do Seu controle e tempo.

Informa-se o justo da causa dos pobres, 
mas o perverso de nada disso quer saber. Provérbios 29:7 Tim Gustafson“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„Prepare a criança


…contaremos à vindoura geração os louvores do Senhor, e o seu poder, e as maravilhas que fez. v.4


Uma frase em muitos sites aos pais diz: “Prepare a criança para a estrada, não a estrada para a criança.” Em vez de tentar remover todos os obstáculos e preparar o caminho para as crianças em nossa vida, devemos equipá-las para as dificuldades que encontrarão na estrada à sua frente.

O salmista escreveu: “…contaremos à vindoura geração os louvores do Senhor, e o seu poder, e as maravilhas que fez. Ele estabeleceu […] e ordenou a nossos pais que os transmitissem a seus filhos, a fim de que a nova geração os conhecesse, filhos que ainda hão de nascer se levantassem e por sua vez os referissem aos seus descendentes” (vv.4-6). O objetivo é que “pusessem em Deus a sua confiança e não se esquecessem dos feitos de Deus, mas lhe observassem os mandamentos” (v.7).

Pense no poderoso impacto espiritual que os outros tiveram sobre nós pelo que disseram e como viveram. Sua conversa e demonstração chamou a nossa atenção e acendeu um fogo em nós para seguirmos a Jesus exatamente como eles fizeram.

É um maravilhoso privilégio e responsabilidade compartilhar a Palavra de Deus e Seu plano para a nossa vida com a próxima geração e as gerações vindouras. Não importa o que os aguarda no caminho pela vida, queremos que estejam preparados e equipados para enfrentá-lo na força do Senhor.

Com conversas e exemplos, ajude a preparar as crianças 
a seguir o Senhor na estrada à frente. David C. McCasland“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„O que trazemos de volta


Fui moço e […] sou velho, porém jamais vi o justo desamparado, nem a sua descendência a mendigar o pão. v.25


John F. Burns passou 40 anos cobrindo eventos mundiais para um renomado jornal internacional. Num artigo escrito depois de sua aposentadoria em 2015, Burns lembrou-se das palavras de um amigo próximo e colega jornalista que estava morrendo de câncer. “Nunca se esqueça”, seu colega disse: “Não é o quão longe você viajou; é o que você trouxe de volta.”

O Salmo 37 poderia ser considerado a lista de Davi do que ele “trouxe de volta” de sua jornada de vida, de pastor a soldado e rei. O salmo é uma série de dísticos contrastando os ímpios com os justos, e afirmando aqueles que confiam no Senhor.

“Não te indignes por causa dos malfeitores, nem tenhas inveja dos que praticam a iniquidade. Pois eles dentro em breve definharão como a relva e murcharão como a erva verde” (vv.1,2).

“O Senhor firma os passos do homem bom e no seu caminho se compraz; se cair, não ficará prostrado, porque o Senhor o segura pela mão” (vv.23,24).

“Fui moço e já, agora, sou velho, porém jamais vi o justo desamparado, nem a sua descendência a mendigar o pão” (v.25).

O que Deus nos ensinou de nossas experiências na vida? Como experimentamos Sua fidelidade e amor? De que forma o amor do Senhor moldou nossa vida?

Não é o quão longe viajamos na vida que conta, mas o que trouxemos de volta.

À medida que os anos passam, 
a fidelidade de Deus continua se multiplicando. David C. McCasland“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„Dirigido por Deus


…incline o nosso coração, para andarmos em todos os seus caminhos e guardarmos os seus mandamentos… v.58


Recebi um e-mail convidando-me a juntar-me a uma comunidade de “pessoas motivadas”. Decidi procurar o significado dessa palavra e aprendi que uma pessoa motivada é alguém que trabalha duro para conseguir seus objetivos.

É bom ser uma pessoa motivada? Há um teste que nunca falha: “fazei tudo para a glória de Deus” (1 Coríntios 10:31). Muitas vezes fazemos coisas por motivações próprias. Depois do dilúvio nos dias de Noé, um grupo de pessoas decidiu construir uma torre para tornar “célebre o nosso nome” (Gênesis 11:4). Eles queriam ser famosos e evitar de espalhar-se por todo o mundo. Não fizeram isso pela glória de Deus, e por isso, foram erroneamente conduzidos.

Em contraste, quando o rei Salomão dedicou a arca da aliança e o Templo recém-construído, disse: “…edifiquei a casa ao nome do Senhor” (1 Reis 8:20). Em seguida, orou: “…a fim de que a si incline o nosso coração, para andarmos em todos os seus caminhos e guardarmos os seus mandamentos…” (v.58).

Quando o nosso maior desejo é trazer glória a Deus e andar em obediência, nos tornamos pessoas impulsionadas e motivadas que buscam amar e servir a Jesus no poder do Espírito. Que a nossa oração ecoe a de Salomão. Que “Seja perfeito o vosso coração para com o Senhor, nosso Deus, para andardes nos seus estatutos e guardardes os seus mandamentos” (v.61).

Faça tudo para a glória de Deus. Keila Ochoa“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„Caminhos escuros

O Senhor, teu Deus, estará contigo onde quer que fores. v.9

Voltávamos das férias em família, e o trajeto nos levou por algumas estradas desoladas. Por quase duas horas, após o crepúsculo, dirigimos por entre cânions profundos e platôs do deserto. Menos de 20 faróis pontuavam a escuridão. Eventualmente, a Lua se levantava no horizonte, e era visível quando a estrada subia os montes, mas desaparecia quando viajávamos pelos vales. Minha filha comentou sobre a luz da Lua, chamando-a de lembrança da presença de Deus. Perguntei-lhe se ela precisava vê-lo para saber que Ele estava lá. Ela respondeu: “Não, mas com certeza ajuda.”

Após a morte de Moisés, Josué herdou a liderança dos israelitas e foi responsabilizado por levá-los à Terra Prometida. Apesar de sua comissão divina, Josué deve ter se sentido desafiado pela natureza assustadora de sua tarefa. Deus ofereceu graciosamente a Josué estar com ele na jornada à frente (v.9).

A estrada da vida nos leva frequentemente por territórios desconhecidos. Viajamos por suas estações quando o caminho à frente não nos é claramente visível. O plano de Deus nem sempre torna-se claro para nós, mas Ele prometeu estar conosco “todos os dias até à consumação do século” (Mateus 28:20). Poderíamos ter maior segurança, não importa quais incertezas ou desafios que possamos enfrentar? Mesmo quando o caminho estiver escuro, a Luz está conosco.

Deus está conosco mesmo quando não podemos vê-lo. Kirsten Holmberg“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

Tupac Shakur photo

„Disfuncional


…pois todos pecaram e carecem da glória de Deus. v.23


A palavra disfuncional é frequentemente usada para descrever indivíduos, famílias, relacionamentos, organizações e até governos. Enquanto funcional significa que algo funciona bem, disfuncional é o oposto — é algo quebrado, que não está funcionando corretamente, incapaz de corresponder ao que foi projetado para fazer.

Em sua carta aos Romanos, o apóstolo Paulo começa por descrever uma humanidade espiritualmente disfuncional (1:18-32). Somos todos parte dessa rebeldia: “todos se extraviaram, à uma se fizeram inúteis; não há quem faça o bem, não há nem um sequer […]. Pois todos pecaram e carecem da glória de Deus” (3:12,23).

A boa notícia é que todos são “justificados gratuitamente, por sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus. […] a quem Deus propôs, no seu sangue, como propiciação, mediante a fé” (vv.24,25). Quando convidamos Cristo para habitar em nós e aceitamos a oferta de vida nova e perdão de Deus, estamos no caminho para nos tornarmos a pessoa que Ele nos criou para sermos. Não nos tornamos imediatamente perfeitos, mas já não temos de permanecer avariados e disfuncionais.

Pelo Espírito Santo, recebemos a força diária para honrar a Deus no que dizemos e fazemos e para nos despojar “do velho homem” e nos revestir “do novo homem, criado segundo Deus, em justiça e retidão procedentes da verdade” (EFÉSIOS 4:22-24).

Aproximarmo-nos de Cristo nos ajuda a viver 
como Ele planejou que vivêssemos. David C. McCasland“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„Razão para sorrir


Consolai-vos, pois, uns aos outros e edificai-vos reciprocamente, como também estais fazendo. v.11


No local de trabalho, as palavras de encorajamento são importantes. Como os funcionários conversam entre si influencia na satisfação do cliente, nos lucros da empresa e na valorização dos colegas de trabalho. Estudos mostram que os membros dos grupos de trabalho mais eficazes afirmam um ao outro seis vezes mais do que desaprovam, discordam ou são sarcásticos. Equipes menos produtivas tendem a usar quase três comentários negativos para cada palavra útil.

Paulo aprendeu na prática o valor das palavras na formação de relacionamentos e resultados. Antes de encontrar Cristo no caminho de Damasco, suas palavras e ações aterrorizavam os seguidores de Jesus. Mas ao escrever aos tessalonicenses, ele já tinha se tornado um grande encorajador devido à obra de Deus em seu coração. Com seu exemplo, exortou seus leitores a animar uns aos outros. Embora tenha sido cuidadoso em evitar a lisonja, mostrou como apoiar os outros e refletir o Espírito de Cristo.

Paulo os lembrou de onde vem o encorajamento. Ele viu que confiar-nos a Deus, que nos amou o suficiente para morrer por nós, nos dá razão para confortar, perdoar, inspirar e desafiar amorosamente uns aos outros (1 Tessalonicenses 5:10,11).

Paulo nos mostra que encorajar uns aos outros é uma forma de ajudar a provar a paciência e a bondade de Deus.

O que poderia ser melhor do que trabalhar 
para despertar o melhor das pessoas? Mart De Haan“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„Desafio de 15 minutos


Inclina-me o coração aos teus testemunhos… v.36


Dr. Charles O. Elliot, presidente de longa data da Universidade de Harvard, acreditava que as pessoas comuns que liam consistentemente da grande literatura do mundo por até alguns minutos por dia poderiam obter uma educação valiosa. Em 1910, ele compilou seleções de livros de história, ciência, filosofia e arte em 50 volumes chamados The Harvard Classics. Cada conjunto de livros incluiu o Guia de Leitura do Dr. Eliot intitulado “Quinze minutos por dia” contendo as seleções recomendadas de oito a dez páginas para cada dia do ano.

E se passássemos 15 minutos por dia lendo a Palavra de Deus? Poderíamos dizer com o salmista: “Inclina-me o coração aos teus testemunhos e não à cobiça. Desvia os meus olhos, para que não vejam a vaidade, e vivifica-me no teu caminho” (vv.36,37).

Aos 15 minutos diários somam até 91 horas por ano. Mas para qualquer quantidade de tempo que decidimos ler a Bíblia a cada dia, consistência é o segredo e o ingrediente-chave não é a perfeição, mas a persistência. Se perdemos um dia ou uma semana, podemos começar a ler novamente. Como o Espírito Santo nos ensina, a Palavra de Deus move-se de nossa mente para o nosso coração, depois para nossas mãos e pés, nos levando além da educação para a transformação.

“Ensina-me, Senhor, […] Desvia os meus olhos, para que não vejam a vaidade, e vivifica-me no teu caminho” (v.33).

A Bíblia é o único Livro cujo Autor 
está sempre presente quando ela é lida. David C. McCasland“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„Encontrando a saída


Não vos sobreveio tentação que não fosse humana; mas Deus é fiel… v.13


Em certa cidade, há uma rua com um nome intrigante: “Saia se puder”. Quando a rua foi nomeada pela primeira vez, a área limitava-se a um pântano que por vezes inundava, e os urbanistas do local lhe deram esse nome como um aviso para que as pessoas ficassem longe dela.

A Palavra de Deus nos adverte a nos afastarmos da “estrada errada” do pecado e da tentação: “Evita-o; não passes por ele; desvia-te dele e passa de largo” (Provérbios 4:15). Mas a Escritura não diz apenas “saia se puder”. Ela oferece segurança e nos diz para onde nos voltarmos: “…Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças; pelo contrário, juntamente com a tentação, vos proverá livramento, de sorte que a possais suportar” (v.13).

A promessa de que Deus não nos permitirá ser tentados acima de nossa capacidade de resistir é um lembrete encorajador. Quando nos voltamos para Deus nos momentos em que surge a tentação, sabemos que Ele está mais do que disposto a nos ajudar a ficar longe.

A Bíblia afirma que Jesus é capaz de “compadecer-se das nossas fraquezas”, pois Ele foi “…tentado em todas as coisas, à nossa semelhança, mas sem pecado” (HEBREUS 4:15). Jesus conhece o caminho para sair de cada tentação. Ele nos mostrará quando corrermos para Ele!

Deus promete nos ajudar 
quando somos tentados. James Banks“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„Uma jornada de fé


…para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome. v.31


Desde sua primeira publicação em 1880, o romance Ben-Hur: um conto sobre Cristo, de Lew Wallace, nunca ficou fora do catálogo. É considerado o livro cristão mais influente do século 19, e sempre atrai novos leitores, uma vez que tece a verdadeira história de Jesus com a de um fictício jovem e nobre judeu chamado Ben-Hur.

Amy Lifson, editora, escreveu numa conceituada revista que este livro transformou a vida do autor: “À medida que Ben-Hur guiava os leitores através de cenas da Paixão, ele também orientava o caminho para Wallace crer em Jesus.” O autor afirmou: “Vi o Nazareno executar obras que nenhum mero homem poderia realizar.”

Nos evangelhos, o registro da vida de Jesus nos permite caminhar ao lado dele, testemunhar Seus milagres e ouvir Suas palavras. O evangelho de João conclui com as palavras: “…fez Jesus diante dos discípulos muitos outros sinais que não estão escritos neste livro. Estes, porém, foram registrados para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome” (João 20:30,31).

Assim como a pesquisa de Wallace, a leitura bíblica e o escrever sobre o Senhor o levaram a crer em Jesus, a Palavra de Deus gera a transformação da mente e do coração. E por meio dessa transformação, temos a vida eterna em Jesus e por meio dele.

Muitos livros podem informar, 
mas somente a Bíblia pode transformar. David C. McCasland“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„Rua Godliman, Londres


“…Nesta cidade há um homem de Deus…” v.6


Minha esposa, Carolyn, e eu estávamos andando em Londres e chegamos numa rua chamada Godliman (Godly man = homem de Deus). Fomos informados de que um homem que viveu nessa rua levava uma vida tão piedosa que a sua rua ficou conhecida como “rua do homem piedoso”. Isto me lembrou de uma história do Antigo Testamento.

O pai de Saul enviou o seu filho e um servo para procurar algumas jumentas que tinham se afastado (v.3). Os jovens as procuraram por muitos dias, mas não conseguiram encontrar os animais.

Saul estava pronto para desistir e voltar para casa, mas o seu servo apontou para Ramá, aldeia do profeta Samuel, contestou e lhe disse: “…Nesta cidade há um homem de Deus, e é muito estimado; tudo quanto ele diz sucede; vamo-nos, agora, lá; mostrar-nos-á, porventura, o caminho que devemos seguir” (1 Samuel 9:6).

Ao longo de seus anos e em idade avançada, Samuel tinha buscado a intimidade e a comunhão com Deus, e suas palavras eram carregadas de verdade. As pessoas sabiam que ele era um profeta do Senhor. “Então, disse Saul ao moço: Dizes bem; anda, pois, vamos. E foram-se à cidade onde estava o homem de Deus” (v.10).

Como seria se a nossa vida refletisse Jesus a ponto de ser um referencial em nossa vizinhança, e a lembrança de que fôramos piedosos permanecesse ali?

O testemunho mais poderoso 
é a vida piedosa. David H. Roper“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„Um pastor para a vida


…ó Deus, tu que me tens guiado como um pastor durante toda a minha vida até hoje. v.15


Quando meu filho passou para outra série na escola, chorou: “Quero o mesmo professor sempre!” Tivemos que ajudá-lo a compreender que as mudanças fazem parte da vida. Podemos perguntar: Existe um relacionamento que dure a vida inteira?

Jacó, o patriarca, descobriu um. Depois de vivenciar mudanças dramáticas e perder entes queridos ao longo do caminho, percebeu que tivera uma presença constante em sua vida. E orou: “O Deus em cuja presença andaram meus pais […], o Deus que me sustentou durante a minha vida até este dia […] abençoe estes rapazes” (vv.15,16).

Jacó tinha sido pastor, portanto, ele comparou sua relação com Deus como a de um pastor com suas ovelhas. A partir do momento que a ovelha nasce, o pastor a cuida dia e noite, do processo de crescimento à velhice. Ele a guia durante o dia e protege-a durante a noite. Davi, também era pastor e tinha a mesma convicção, mas ele destacou a eterna dimensão disso quando disse: “…e habitarei na Casa do Senhor para todo o sempre” (Salmo 23:6).

Ter diferentes professores faz parte da vida. Mas como é bom saber que podemos ter relacionamentos que duram a vida inteira. O Pastor prometeu estar conosco todos os dias da nossa existência terrena (Mateus 28:20). E quando a vida aqui termina, estaremos mais perto dele do que jamais estivemos.

Deus nunca nos abandona. Keila Ochoa“

—  pão_diário_é_só_noticias_boas

„Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Etiam egestas wisi a erat. Morbi imperdiet, mauris ac auctor dictum.“

x