„“Nunca deverás tratar a ti mesmo como um ser finalizado, concluso e terminado. Nossos pensamentos estão em constante alteração – nós estamos em constante contradição. Minhas ideias do dia anterior me parecem hoje, demasiado vagas, contraditórias, incompatíveis. Os pensamentos mudam e nós também, tudo é passageiro, tudo incorpora efemeridade e brevidade. A vida é uma viagem, nós somos a viagem. Não importa o caminho, todos eles seguem rumo a um mesmo fim – a morte! Não seria isso o suficiente para termos gratidão, tranquilidade e serenidade ao lidar com os baques da vida? A tristeza deve ser passageira, um caminho para alcançarmos sabedoria. Somos suficientemente capazes de viver intensamente a vida em sua totalidade, és uma experiência extraordinária, no entanto, cabe a nós enxergar a magnificência deste presente que nos fora dado.
Nada nos pertence, o presente é o instante em que acontece, o passado é o presente que não é mais, e o futuro é o presente que será. Se vives inteiramente no presente estarás sempre em paz. Deves viver sempre no presente, corpo e mente. Inúmeras vezes, o corpo permanece no presente, mas a mente à milhas de distância. Este é o nosso maior pecado contra a vida, meus irmãos!
Não permitas passar pela vida sem teres vivido, superado a ti mesmo e atingido a tranquilidade; e que não tenhas arrependimento de nenhum instante. Tenhas autenticidade, não permitas seres tutelado por ideologias, ideais e doutrinas; são uma ameaça a vida. Seja sutileza em meio ao caos, e vivas como um demasiado humano. Esta vida que vives é única e não viverás novamente."“

—  Maria Eduarda Eskildsen

Publicidade