„“Há demasiado tempo, tenho alimentado o monstro horripilante que caminhava junto a mim, por vezes, podia aproveitá-lo e deleitar-me em sua companhia e adquirir respostas às interrogações constantes em virtude de longos diálogos. Devido a uma vida vaga, expectativas frustradas e desprovida de quaisquer prazeres ou sentimentos aprazíveis, o monstro habitou meu vazio e fez dele sua morada. O monstro fez-se resistente e robusto, ao ponto de tornar-se mais forte que a soma de todas as minhas forças. Ele está presente por todo o âmbito de meu corpo, sinto que, não só ele dominou-me, mas eu tornei-o. Tornei um ser de vísceras melancólicas, coração amargurado, mente em estado de longos tormentos, e em completo desconforto aos aglomerados em decorrência de uma solidão impertinente e uma dor; uma dor eterna.”“

—  Maria Eduarda Eskildsen

Publicidade