Citar

História

  • Gerson De Rodrigues criado 2 anos, 7 meses atrás

    Poema – Astaroth ‘’ Quando um homem se entrega as feridas que existem em sua alma Um abismo se abre em seu coração e de lá nascem os mais perversos demônios Uma vez que o primeiro demônio se liberta mata-se o homem e nasce a besta… ‘’ Os suicidas caminham em horizontes entre os sonhos da vida e os desejos da morte Através deste desfiladeiro tenho em mim as angustias de um homem morto Se algum dia eu chorei por amor, foi porque me entreguei a este sentimento sórdido até transformá-lo em repulsa Constantemente me encaro nos espelhos da vida e me arrependo por não ter enforcado aquela maldita criança no útero da minha mãe Poupando a mim mesmo da miséria dos deuses e os homens dos meus sonhos infantis Se eu estou calado em um canto escuro com o destino selado por uma corda em meu pescoço é porque se eu falar sobre os meus sentimentos vou faze-los se matarem em meu lugar Me entreguei a rebeldia de judas cuspindo em mim mesmo como um verme miserável Ainda que eu ame os meus familiares mais do que as estrelas amam as constelações Me odeio de maneira tão intensa que prefiro dar a eles um lindo funeral com o meu corpo pregado em uma cruz do que flores para me chamarem de Jesus '' - Lembram-se quando vocês eram jovens e cheios de sonhos? e hoje são produtos da própria derrota;'' Fracassei até mesmo em amar só me resta a vitória dos meus sonhos perdidos em um mar de baratas e podridão Em palavras inocentes revelarei com plena honestidade ainda que na epiderme imunda de uma infância hostil e claramente sem futuro Fui feliz sem saber que algum dia desejaria ter enforcado aquela criança inocente em frente ao espelho Finalizo estes versos com uma dor que não pode ser descrita em Poesias, Filosofias ou maldições Mas vocês vão se lembrar de mim quando lerem a carta de suicídio que eu cravei em seus corações - Gerson De Rodrigues

    —  Gerson De Rodrigues

  • system updated 2 anos, 1 meses atrás

    Poema – Astaroth ‘’ Quando um homem se entrega as feridas que existem em sua alma Um abismo se abre em seu coração e de lá nascem os mais perversos demônios Uma vez que o primeiro demônio se liberta mata-se o homem e nasce a besta… ‘’ Os suicidas caminham em horizontes entre os sonhos da vida e os desejos da morte Através deste desfiladeiro tenho em mim as angustias de um homem morto Se algum dia eu chorei por amor, foi porque me entreguei a este sentimento sórdido até transformá-lo em repulsa Constantemente me encaro nos espelhos da vida e me arrependo por não ter enforcado aquela maldita criança no útero da minha mãe Poupando a mim mesmo da miséria dos deuses e os homens dos meus sonhos infantis Se eu estou calado em um canto escuro com o destino selado por uma corda em meu pescoço é porque se eu falar sobre os meus sentimentos vou faze-los se matarem em meu lugar Me entreguei a rebeldia de judas cuspindo em mim mesmo como um verme miserável Ainda que eu ame os meus familiares mais do que as estrelas amam as constelações Me odeio de maneira tão intensa que prefiro dar a eles um lindo funeral com o meu corpo pregado em uma cruz do que flores para me chamarem de Jesus '' - Lembram-se quando vocês eram jovens e cheios de sonhos? e hoje são produtos da própria derrota;'' Fracassei até mesmo em amar só me resta a vitória dos meus sonhos perdidos em um mar de baratas e podridão Em palavras inocentes revelarei com plena honestidade ainda que na epiderme imunda de uma infância hostil e claramente sem futuro Fui feliz sem saber que algum dia desejaria ter enforcado aquela criança inocente em frente ao espelho Finalizo estes versos com uma dor que não pode ser descrita em Poesias, Filosofias ou maldições Mas vocês vão se lembrar de mim quando lerem a carta de suicídio que eu cravei em seus corações - Gerson De Rodrigues

    —  Gerson De Rodrigues

    Niilismo Morte Deus Existencialismo Vida Nietzsche

* For posting comments, you have to be logged in.