Citar

História

  • Gerson De Rodrigues criado 2 anos, 3 meses atrás

    Poema – Sloniec Nas auroras do tempo muito antes dos homens caminharem pela terra Um arcanjo que odiava todos os deuses batia as suas asas na mais ríspida solidão Certa vez, enquanto vagava pelo universo escutou os lamentos de um anjo; Sloniec chorava, e as suas lágrimas partiram o seu coração Aquele arcanjo de asas negras que viveu toda a sua vida atormentado pelas suas angustias Comoveu-se com as lágrimas daquele anjo E ao perguntar porque ela estava chorando O anjo respondeu que havia cometido o maior de todos os pecados Ela havia se apaixonado pelo Arcanjo enquanto observava ele vagando em sua própria solidão Assustado com o Amor que nunca havia sentido O Arcanjo bateu as suas asas e isolou-se nos confins de um buraco negro Devido ao pecado de Amar os deuses baniram a alma daquele anjo no corpo de uma criança humana O Arcanjo enfurecido, se rebelou contra os deuses E com as suas próprias mãos derrubou os portões dos céus Enforcando todos os deuses e arcanjos em suas próprias tripas fazendo das suas vísceras poesias de sangue E como um último ato enquanto chorava olhando as estrelas Baniu a si mesmo para o reino dos homens Reencarnando em um jovem Poeta; Ele havia crescido sem lembrar do seu passado Mas durante toda a sua vida afogava-se em lágrimas que ele nunca soube de onde vinham Sloniec era a mais bela humana que já havia caminhado pela terra o seu sorriso era como a Lua e as Estrelas lábios que nos beijam e nos levam a loucura Mas o seu coração era triste e o suicídio vagava ao seu lado; Enquanto planejava se enforcar em uma destas noites solitárias O jovem poeta foi atraído pela mais bela das sinfonias Uma voz tão doce que fariam flores nascer em um coração suicida Sem compreender aquele nefasto sentimento o jovem poeta jurou pelos deuses que havia matado Que iria amar e proteger aquela garota que fez suas asas crescerem novamente… - Gerson De Rodrigues

    —  Gerson De Rodrigues

  • system updated 1 ano, 8 meses atrás

    Poema – Sloniec Nas auroras do tempo muito antes dos homens caminharem pela terra Um arcanjo que odiava todos os deuses batia as suas asas na mais ríspida solidão Certa vez, enquanto vagava pelo universo escutou os lamentos de um anjo; Sloniec chorava, e as suas lágrimas partiram o seu coração Aquele arcanjo de asas negras que viveu toda a sua vida atormentado pelas suas angustias Comoveu-se com as lágrimas daquele anjo E ao perguntar porque ela estava chorando O anjo respondeu que havia cometido o maior de todos os pecados Ela havia se apaixonado pelo Arcanjo enquanto observava ele vagando em sua própria solidão Assustado com o Amor que nunca havia sentido O Arcanjo bateu as suas asas e isolou-se nos confins de um buraco negro Devido ao pecado de Amar os deuses baniram a alma daquele anjo no corpo de uma criança humana O Arcanjo enfurecido, se rebelou contra os deuses E com as suas próprias mãos derrubou os portões dos céus Enforcando todos os deuses e arcanjos em suas próprias tripas fazendo das suas vísceras poesias de sangue E como um último ato enquanto chorava olhando as estrelas Baniu a si mesmo para o reino dos homens Reencarnando em um jovem Poeta; Ele havia crescido sem lembrar do seu passado Mas durante toda a sua vida afogava-se em lágrimas que ele nunca soube de onde vinham Sloniec era a mais bela humana que já havia caminhado pela terra o seu sorriso era como a Lua e as Estrelas lábios que nos beijam e nos levam a loucura Mas o seu coração era triste e o suicídio vagava ao seu lado; Enquanto planejava se enforcar em uma destas noites solitárias O jovem poeta foi atraído pela mais bela das sinfonias Uma voz tão doce que fariam flores nascer em um coração suicida Sem compreender aquele nefasto sentimento o jovem poeta jurou pelos deuses que havia matado Que iria amar e proteger aquela garota que fez suas asas crescerem novamente… - Gerson De Rodrigues

    —  Gerson De Rodrigues

    Niilismo Morte Deus Existencialismo Vida Nietzsche

* For posting comments, you have to be logged in.