„Ah! minha Dinamene! Assim deixaste
Quem não deixara nunca de querer-te!
Ah! Ninfa minha, já não posso ver-te,
Tão asinha esta vida desprezaste!Como já pera sempre te apartaste
De quem tão longe estava de perder-te?
Puderam estas ondas defender-te
Que não visses quem tanto magoaste?Nem falar-te somente a dura Morte
Me deixou, que tão cedo o negro manto
Em teus olhos deitado consentiste!Oh mar! oh céu! oh minha escura sorte!
Que pena sentirei que valha tanto,
Que inda tenha por pouco viver triste?“

— Luís Vaz de Camões

Publicidade

Citações relacionadas

Carlos Drummond de Andrade photo
Suzana Vieira photo
Publicidade
Natália Correia photo
Amos Oz photo
Amos Oz photo
Clarice Lispector photo
Fernando Pessoa photo
Pablo Neruda photo
Publicidade
Adélia Prado photo
Clarice Lispector photo
Publicidade
Dulce Barros de Almeida photo
Dulce Barros de Almeida photo
Cesare Beccaria photo
Mark Twain photo
Próximo