Citações de amor

Uma coleção de frases e citações sobre o tema da amor.

Tópicos relacionados

Total 4298 citações de amor, filtro:


Max Moreno photo
Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Martin Luther King Junior photo
Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Bruce Lee photo
Max Moreno photo

„Um único gesto de amor pode derrubar um milhão de palavras.“

—  Max Moreno Escritor brasileiro, romancista 1968

Fonte: https://www.facebook.com/photo?fbid=2979117932411302&set=gm.783908102301317

Valter Bitencourt Júnior photo

„Amor é vida
Que germina
No viver.“

—  Valter Bitencourt Júnior, livro Aprendiz: Poesias, frases, haicais e sonetos

Fonte: Livro: "Aprendiz: Poesias, frases, haicais e sonetos", Publicação Independente, 2021, pág. 62.

Valter Bitencourt Júnior photo
Alexis Karpouzos photo
Valter Bitencourt Júnior photo

Help us translate English quotes

Discover interesting quotes and translate them.

Start translating
Valter Bitencourt Júnior photo

„Amar é ter medo de cometer injustiça ao próximo. Amor é a pureza, da pureza de todos os sentimentos, que o ser pode sentir.“

—  Valter Bitencourt Júnior poeta e escritor brasileiro 1994

Fonte: https://www.frasesfamosas.com.br/frase/valter-bitencourt-ju-amar-e-ter-medo-de-cometer-in/?utm_source=internal&utm_medium=link&utm_campaign=phrase_snippet_wholetext

Valter Bitencourt Júnior photo

„Pregar o amor
É quebrar o preconceito
E abrir o coração para o mundo.“

—  Valter Bitencourt Júnior poeta e escritor brasileiro 1994

Fonte: https://www.frasesfamosas.com.br/frase/valter-bitencourt-ju-pregar-o-amor-e-quebrar-o-pre/?utm_source=internal&utm_medium=link&utm_campaign=phrase_snippet_wholetext

Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
John Steinbeck photo
Esta tradução está aguardando revisão. Está correcto?
Pierre-jean De Béranger photo

„Meu Fracasso Retumbante


Ela hostiliza a mim e ao meu trabalho, minhas madrugadas entre a biblioteca e a sala principal do escritório - devo estar pecando mortalmente em ficar até mais tarde entre os meus livros e as minhas vãs filosofias.

Briga porque não assisto a novela - e ainda porque desconheço os personagens na Gloria Pérez, inverossímeis e estranhos.

Aperreia-se diante de meu desconhecimento sobre o “Big Brother” desse ano. Acha errado eu não ter votado em alguém. Acha um absurdo eu não conhecer de cor todos os participantes.

Dorme inconformada quando eu não abro as mensagens que a própria me envia, excitada, exaltada, quase que gozando sobre as estrelas do cinema que se separaram, e as que morreram, sucumbiram, e também aquelas que estão reclusas, dependentes de anfetaminas e de outras coisas bem piores.

E acorda ao meio dia, mais inconformada ainda, já que eu tive que sair da cama muito cedo, tomar o meu banho, fazer minha barba e esconder-me por dentro de terno e gravata (ferramentas de trabalho imprescindíveis), travestido de alguém que necessita labutar bastante.

Ela me ofende em todas as vezes nas quais eu refuto a literatura espírita ou de auto-ajuda - porque digo que não são literatura; ela desconhece Kant, desconhece Nietzche, desconhece obras inacabadas dos que foram muito fodas e que nos deixaram cedo. Livros que estão aqui em casa, nas estantes da biblioteca. Gratuitos e plenamente acessíveis.

Mas ainda assim eu digo que lhe compreendo mesmo desse jeito, uma vez que não existe obrigação alguma de embriagar-se por dentre os meus grandes “clássicos”, nem mesmo de escutar as músicas que eu escuto ou assistir os filmes que tanto amo do Fellini ou do Almodóvar. Só que ela, muito ao contrário, me “descompreende” de maneira aviltante e ofensiva, e me alcunha de desordenado, de improdutivo e de desinformado (!).

Ela não percebe que o amor verdadeiro tende a rarear quando a admiração se esvazia; quando ela tenta, sem sucesso, encaixar-me na moldura de seu mundo, em vez de modelar um mundo totalmente novo, de informações que se completem e que nos por abarquem inteiros, “de conchinha”. E, ainda que eu lhe bendiga o melhor de tudo o que existe, permaneço triste. Sua companhia me faz falta.

Ela é a prova viva de que gentileza não atrai a gentileza.

E eu sou o egoísmo e a covardia em estado puro. Eu preciso alforria-la de minha presença alienígena, desagradável, para que encontre alguém que lhe idolatre como eu já fiz em idos tempos, engajado nos padrões nos quais, definitivamente, eu infelizmente não me encaixo.

Seja então inteiramente livre, minha amiga linda!!!
Pois que a sua liberdade me libertará de insuportável melancolia, e transformará você em regozijo puro. Eu aceitarei o “pé na bunda” com estoicismo; a alcunha de fracote, ou de fracassado incompetente, ou até do idiota lá de Dostoiévski. E aceitarei os xingamentos com o coração tranquilo. Despojado dessa culpa enorme de não lhe fazer sentir mais alegria.“

—  AndreRodriguesCostaOliveira